Orlando Lake Lucerne

Saiba quanto custa morar em Orlando e descubra se vale a pena!

Com a recente crise econômica e política, é cada vez maior o número de brasileiros que pensam em sair do país em busca de melhores condições de vida. Na verdade, muitos já tomaram essa decisão e, nesse cenário, os Estados Unidos estão entre os destinos preferidos.

Dos mais de 3 milhões de brasileiros que vivem fora do país, quase metade deles, cerca de 1,3 milhão, moram legalmente nos EUA, com destaque especial para o estado da Flórida.

Quando olhamos para os números, fica fácil entender essa decisão: brasileiros que vivem e trabalham nos Estados Unidos ganham, anualmente, cerca de 7 vezes mais do que a média dos trabalhadores que moram no Brasil. E não é só isso: esses ganhos são superiores aos dos próprios cidadão americanos!

Além disso, através do programa EB-5, que fornece visto para investidores, muitos brasileiros têm conseguido acesso ao Green Card, que é a autorização de residência permanente. Não à toa, 25% dos tupiniquins que vivem por lá atuam por conta própria, empreendendo.

Independentemente do motivo, se você faz parte das pessoas que pensam em se juntar a esse grupo, é importante conhecer o estilo de vida americano e sabe qual o custo para morar em uma nova cidade, uma vez que é preciso estar financeiramente preparado para essa nova etapa.

Quanto custa morar em Orlando

Por se tratar do destino preferido dos brasileiros que escolhem morar nos Estados Unidos, vou considerar a cidade de Orlando como base para os nossos cálculos.

Antes de tudo, porém, vale destacar que esses valores são apenas médias e estão suscetíveis a uma série de fatores que podem alterá-los.

Isso posto, vamos aos principais itens:

Aluguel

Para termos um exemplo concreto, vamos considerar um apartamento de 2 a 3 quartos na região central da Flórida. Nesse caso, o aluguel fica na faixa dos 1200 a 1600 dólares, dependendo do imóvel e da sua localização.

Ainda há a opção de casas geminadas, muito comuns nos EUA. Um imóvel desse tipo com 3 quartos pode sair entre 1100 a 1800 dólares, aproximadamente. Já casas maiores têm valores que partem, em média, de 2000 dólares mensais.

Imóvel próprio

Esse tópico é mais complicado, já que depende do padrão, da localização e do tamanho do imóvel que você está buscando. Pensando em um família de três pessoas, é possível encontrar apartamentos de 2 quartos por menos de 130 mil dólares, por exemplo.

Se você estiver pensando em uma casa, considere um valor médio em torno dos 300 mil dólares. Claro, é possível encontrar casas mais baratas, do mesmo modo que há imóveis em Orlando que passam de 1 milhão de dólares.

IPTU

Os estados americanos têm muita autonomia para desenvolverem suas próprias legislações e, na Flórida, o Property Tax (equivalente ao IPTU brasileiro) gira em torno de 1,1% do valor do imóvel, sendo pago anualmente. Se você tiver interesse nesse assunto pode, inclusive, simular valores no país todo neste site.

Luz

Na Flórida, o valor da conta de luz varia de acordo com a idade dos imóveis. Quanto mais velhos for o bem, maior será o valor a ser pago.

Para uma previsão realista de acordo com o mercado, vamos considerar imóveis construídos a partir de 2004 e com uso moderado do aparelho de ar condicionado. Nesse cenário, a conta de luz para apartamentos de 2 a 3 quartos, costuma ficar entre 80 e 120 dólares. Já para casas maiores, aquelas de até 6 quartos, esse valor pode passar dos 200 dólares.

Água

Em muitos móveis de dimensões menores, como apartamentos pequenos, a conta de água costuma vir inclusa. O mesmo pode ocorrer com outras taxas, como lixo e esgoto, por exemplo.

Usando os mesmos exemplos, apartamentos de 2 ou 3 quartos podem pagar um conta de água com valores entre 35 e 60 dólares, enquanto que em casas grandes esse valor pode passar dos 100 dólares.

Internet

Nos EUA, existem inúmeros provedores de internet, o que faz com que os valores variem bastante de acordo com os planos e a empresa que os fornece.

Existem pacotes de 15 MB de velocidade que custam cerca de 25 dólares mensais, enquanto há planos maiores que podem passar dos 80 dólares. A grande vantagem é que, nos Estados Unidos, a velocidade contratada é, de fato, a velocidade com que você consegue navegar, diferente do Brasil e seus famosos 10%.

Celular

Assim como acontece com a internet, existem diversas operadoras de celular atuando em território americano. Dentre as mais conhecidas, posso citar a T-mobile, a Verizon e a AT&T.

É possível assinar um plano da T-mobile, a mais utilizada no país, com dados e minutos ilimitados para duas linhas, por cerca de 120 dólares por mês. Também é possível adicionar planos mais simples na mesma conta por cerca de 25 dólares, o que é muito útil para casais com filhos.

Carro

Orlando é uma cidade em que é recomendado ter carro, especialmente pelo clima mais quente. A boa notícia é que os automóveis nos Estados Unidos são muito mais baratos – e completos – do que no Brasil. Para se ter uma ideia, é possível encontrar um sedã médio usado, como um Ford Fusion, por exemplo, a partir de 4 mil dólares e Toyota Corolla 0km por U$ 17 mil dólares.

Importante: se você não possui o Social Security Number (SSN, o equivalente ao CPF deles), é praticamente impossível que as lojas de usados e concessionárias te concedam uma venda a prazo. Nesse caso, a compra deverá ser feita à vista. Outra opção é procurar por alugueis mensais.

Seguro de carro e gasolina

Nos EUA, é obrigatório que os automóveis tenham seguro. Como não podia deixar de ser diferente, trata-se de outro segmento com muitas opções de empresas.

Os valores variam de acordo com a cobertura. Para pessoas que não possuem SSN, ele pode sair um pouco mais caro. Considerando que esse seja seu caso, o seguro ficaria entre 100 e 140 dólares por mês.

Em relação aos gastos com combustível, a gasolina é relativamente barata nos Estados Unidos e você não deve gastar mais que 150 dólares para rodar o mês todo.

Supermercado

De uma maneira geral, os supermercados nos EUA têm um bom preço quando comparado às principais capitais brasileiras. Claro, o valor vai variar de acordo com os hábitos de consumo de cada família.

Uma pequena desvantagem é que o preço dos alimentos mais saudáveis, como frutas, legumes e verduras, tendem a ser mais caros do que as “porcarias” tamanho família típicas dos Estados Unidos.

Nesse sentido, uma família de quatro pessoas não deve gastar mais do que 1000 dólares por mês em compras.

Saúde

Como sabemos, o sistema de saúde nos Estados Unidos não é gratuito. Aliás, muito pelo contrário. Essa é uma área totalmente privatizada e, infelizmente, não é nada barata.

Existem diversas empresas de plano de saúde, com inúmeras opções diferentes, o que torna muito difícil passar um previsão de valores. A dica é: pesquise muito e veja as condições de cada plano.

Por fim, se você é um investidor e deseja se mudar para Orlando para ficar mais próximo do mercado de investimentos americano, te convido a ler o post Como investir nos EUA: tudo o que você precisa saber! para que você esteja preparado para potencializar o seus rendimentos e aproveitar ao máximo a terra do Tio Sam.